quarta-feira, abril 03, 2019

Glass (2019)

A Blumhouse comprova-se como um kinooasis no deserto que é o cinema hollywoodesco actual. A sua filosofia de liberdade criativa, num contexto de rígida austeridade orçamental, está a produzir obras como Whiplash, Upgrade, Get Out, Split e agora este empolgante Glass. O feito é tal. que ressuscitou o dead director Shyamalan, que assina aqui o seu melhor filme desde 2002. É impossível não assinalar os paralelos da crise existencial dos seus (super?) heróis, com os do próprio realizador, que, até Split, andava em igual condição, a nível criativo. O Bruce está apagado, mas o Samuel e o James elevam o estreito e coeso guião do Night, nesta digna sucessão do mítico Unbreakable. Jason Blum é definitivamente um caso a seguir.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails