quarta-feira, novembro 12, 2008

W. (2008)

de Oliver Stone

Desilusão, é a palavra que me vem constantemente à cabeça sempre que penso neste W. Infelizmente, Oliver Stone apesar de continuar com um bom ritmo narrativo, perde-se na vida incompreendida que é a da George W. Bush. No seu excesso de zelo para fazer um retrato justo do homem, o cineasta omite e ignora acontecimentos fulcrais para compreender um dos mais mal amados presidentes da história dos EUA. Nunca percebemos quem é este básico homem que é retratado. Talvez fosse a intenção do realizador apresentar-nos o retrato de um coitado que apesar de um imenso complexo de inferioridade e de uma grande dose de ingenuidade, consegue virar a sua vida do avesso e conquistar o seu lugar na cadeira do homem mais poderoso do mundo. O problema, é que essa transição não é clara e é algo forçada dentro do contexto do filme. No seu excesso de subtileza (algo que fica mal a Stone) e recurso a constantes elipses, não é nos é perceptível como a personagem de W. conseguiu descobrir a força interior para assumir-se como o lider de uma nação. Destaque para a interpretação de Josh Brollin que apesar das limitações de um guião anémico, consegue transmitir carisma e presença para compôr um personagem limitado no papel. A haver alguma inspiração, ela surge tardiamente numa magnífica cena final, onde um confuso W. não consegue apanhar aquela bola no ar. Um pouco como o realizador, que com este filme dá o seu segundo tiro ao lado depois do anémico WTC.

Que saudades de Oliver Stone.

3 comentários:

Ricardo disse...

sinceramente, já não é a primeira pessoa que não gosta de W, (melhor dizendo, só sei de uma que tenha gostado, para além de mim) o que será que tem o filme? o que eu acho divertido é que os argumentos utilizados da maioria das vezes para denegrir são os mesmos que uso para elevar, a subtileza e a escolha pelo retrato fiel, sem exageros nem propaganda, são, no meu ver, duas das melhores características do filme. Encara a besta de frente, sem criar artimanhas para iludir o espectador.
Dar um lado emocional e colocar W. como uma marioneta num jogo político que lhe é muito superior e claro a questão dos daddy issues é absolutamente fundamental num filme que deveras alcança um ponto de soberba perfeição na cena da bola que ele não sabe apanhar, ou o momento em que ele não consegue enumerar os seus erros.
Temo que seja a minha ignorância que me leva a sentir um apetite especial por este filme, porque sem dúvida alguma não quero acreditar que a ignorância seja dos outros.

José Quintela Soares disse...

Falarei depois de ver.

Luís disse...

ricardo, sinceramente Stone já fez muito, mas muitissimo melhor. Parece-me que a sua abordagem neutral não funcionou com este tema.

josé, vê e depois diz o que achaste

abraço cinéfilo

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails