quarta-feira, dezembro 26, 2007

CineBalanço 2007

Extremamente subjectiva como são todas as listas, mas mesmo assim creio ser um apanhado justo das alegrias e desilusões dos filmes que descobri neste ano que finda.
OS 10 MAIS:

Palombella Rossa (1989) Nanni Moretti
Sátira inspirada e delirante, com o surreal de moretti a vir ao de cima, num jogo de polo intervalado por lunáticos políticos, canções de Bruce Springsteen e o Doutor Zhivago. Brilhante!

Grizzly Man (2006) Werner Herzog
Documentário sui generis, (re)construído a partir dos vídeos de um personagem-limite como só Herzog consegue mostrar. Arrepiante e comovente ao mesmo tempo.

Elephant (2003) Gus Van Sant
A justeza e o distanciamento da câmara de Van Sant, fazem deste, um dos filmes essenciais do cinema moderno. Manipulação do tempo, espaço e pontos de vista, executados de forma magistral.

Tarde Demais (2000) José Nascimento
Um filme atípico no pasmante panorama nacional. Servido por 4 grandes interpretações, com uma fotografia deslumbrante e um realismo que marca e fere. Um filme injustamente esquecido!

Lisboetas (2005) Sergio Trefaut
Documentário com uma abordagem única a um tema actual e pertinente. Nunca recorrendo a sentimentalismos fáceis, tem um dos grandes finais a que já pude assistir num filme.

Death Proof (2007) Quentin Tarantino
Regresso do génio louco ao território da série B. Tarantino divertiu-nos (e divertiu-se) na desconstrução de todos os clichés do género, numa abordagem cartoonesca completamente delirante.

Children of Men (2006) Alfonso Cuaron
Os seus planos-sequência irão concerteza ficar na história do cinema. Mais que o guião ou os actores, a realização de Cuaron é a estrela do filme, numa abordagem com tanto de díficil, como de brilhante. Hitchcock teria orgulho.

La Messa é Finita (1985) Nanni Moretti
O lado mais negro e dramático de Moretti, que mais tarde voltaria com La Stanza Del Figlio. Apesar de alguma comédia ligeira lá estar, este é um dos seus filmes mais incómodos e magoados. Portanto um dos seus melhores!

Bianca (1983) Nanni Moretti
Outro filme brilhante do génio italiano. Fusão entre policial e comédia dramática, é um dos seus filmes mais acessíveis e ao mesmo tempo mais desconcertantes.

American Psycho (2000) Marry Harron
Frio, distanciado e implacável. A revelação que foi a monstruosa interpretação de Christian Bale numa sátira inspirada, que critíca ferozmente o consumismo e artificialismo dos 80's. Um filme choque e marcante.

Destaque também para as grandes desilusões que foram:
OS 3 MENOS:

O Caimão (2007) Nanni Moretti
Comédia dramática excessivamente politizada, que parece ter sido realizada por um qualquer realizador mediano. O filme mais anémico da carreira de Moretti.

The Fountain (2007) Daren Aranofsky
Uma grande confusão de temas aliada a pretensões metafísicas que sinceramente não me convenceram. Safa-se um Hugh Jackman fenomenal, mas após o brilhante Requiem for a Dream, sabe a muito pouco.

World Trade Center (2006) Oliver Stone
Um filme conformista, patriótico (no mau sentido) e aborrecido. Podia ter sido realizado por um tarefeiro de telefilmes, que o resultado seria o mesmo. Para mim a desilusão do ano.

4 comentários:

Cataclismo Cerebral disse...

Quanto aos títulos que descobriste este ano, deixa-me dizer que são muito bons.

Abraço

anónimo disse...

Concordo com as tuas escolhas, mas no caso do "Caimão" não concordo: tomara que houvessem mais filmes políticos... de filmes de escape como o "The Fountain" estamos todos fartos.

José Quintela Soares disse...

Discordo completamente da classificação atribuida ao "Caimão".

Mas...gostos não se discutem.

Bom Ano!

Luís disse...

o caimão não me convenceu nada, mas nada mesmo...muito previsivel e pouco morettiano....mas isto sou eu!

abraços

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails